Minhas Compras
Você adicionou a sua lista de compras. O que deseja fazer agora?
Continuar Comprando! Fechar Compra!

anelog@anelog.com.br    (81) 9.9278-7862   

Anelog - Associação Nordestina de Logística

BREVE HISTÓRIA DO USO DE CONTÊINER

por Marcílio Cunha DIRETOR OPERACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NORDESTINA DE LOGÍSTICA (ANELOG)

Por ANELOG dia em Artigos

BREVE HISTÓRIA DO USO DE CONTÊINER
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Durante séculos de viagens marítimas pelos Continentes realizadas por chineses, árabes e europeus, não haviam conseguido criar uma maneira de evitar as enormes perdas no transporte de mercadorias com as quebras, deteriorações e desvios. A operação de custo maior, era transferir a carga do transporte do caminhão ou do trem para o navio no cais do porto de saída, e do navio no porto de chegada para o caminhão ou trem que faria o transporte até ao destino final da carga. Registros de estudos da época, esta movimentação de cargas soltas representava cerca da metade do custo total do transporte. Nos anos 50, o norte-americano Malcom Mc Lean, com pouco mais de 20 anos, depois de terminar os estudos juntou dinheiro para ingressar no ramo de transportes rodoviários. Foi quando comprou seu primeiro caminhão que passou a ser motorista. Sendo obstinado, nascido para vencer, com muito trabalho construiu uma frota com mais de 1.800 caminhões e 37 terminais de carga espalhados pelos Estados Unidos. O que mais intrigava Malcom, era ver o carregamento de carga lento em seus caminhões dependendo de força muscular humana. O processo de carga e descarga demorado, levava tempo e tempo é dinheiro. O processo era lento nos caminhões o mesmo acontecia com os navios. Em 1955, ele vende sua empresa de transportes terrestres e adquiri uma empresa de navegação. Voltado para agilizar o embarque de mercadorias, começou a testar novas maneiras de carregar embarcações. Ao observar o trabalho de embarque de fardos de algodão no porto de Nova Iorque, teve a ideia de armazená-los e transportá-los em grandes caixas de aço que pudessem serem embarcadas nos navios. Inventou as caixas de ferro e testou diversos formatos e tamanhos. Sabia que as caixas deveriam ser fortes, seguras, padronizadas, empilháveis, fáceis de ovar, fáceis de desovar e movimentar. Mais um problema surgiu. Adaptação dos navios para os contêineres, pois os modelos da época eram outros. No ano de 1956, para testar as suas novas ideias de adaptação, adquiriu um navio petroleiro, modificou o seu porão para levar as caixas de ferro, fazendo o mesmo suportar até 58 containers. Assim, em 5 de maio daquele ano de 1966, chegava ao porto de Roterdã - já o maior porto do mundo - o cargueiro adaptado "SS Fairland", da Sea Land, que ali descarregou 50 unidades. Sem equipamento apropriado no porto, o desembarque foi feito com o próprio guindaste do navio, outra criação de Mc Lean. Com uma redução de custo esperada de até 25%, o invento de Mc Lean foi bem recebido pelo mercado. Apenas em 1970 que o mercado intensificou o uso de contêiner. Com 36 navios porta-containers e 27.000 containers já produzidos. A invenção dos containers foi um dos maiores condutores da globalização mundial nos últimos 60 anos. Hoje os containers são de 40 e 20 pés, os primeiros contêineres eram de 33 pés. Não deixou de ser uma grande ideia essa de Malcom Mc Lean.

 

Todos os Artigos são de responsabilidade de seu autor

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui: